Problemas de Saúde

Prisão de ventre

Obstipação intestinal, ou prisão de ventre, é uma alteração do trânsito intestinal que resulta na diminuição do número de evacuações e alteração na sua consistência (ressecamento).

Conhecendo o trânsito intestinal

Ao colocarmos um alimento na boca, começa o processo digestivo. Esse material, em processo de digestão, percorrerá todo o tubo digestivo, onde haverá o término da sua digestão e a absorção dos nutrientes e compostos presentes nele, até atingir o intestino grosso, onde será formado o bolo fecal para ser eliminado.

Esse trajeto é bastante longo. Da boca ao ânus são cerca de 9 metros, sendo 25 cm de esôfago, 25 cm de estômago, 7 metros de intestino delgado (ponto importantíssimo para a absorção dos nutrientes) e 1,5 metros de intestino grosso.


Quanto tempo demora para o alimento ingerido chegar no intestino grosso?

Isso pode variar conforme o tipo de alimento ingerido e a sua preparação.

O alimento costuma permanecer no estômago de 1 a 5 horas, dependendo da sua composição. Quando ingerimos alimentos liquidificados, o esvaziamento do estômago começa após 5 minutos. Quando o alimento é sólido, esse esvaziamento tem início após 20 a 25 minutos.

A passagem pelo intestino delgado costuma ocorrer em 90 minutos (o seu conteúdo caminha numa velocidade de 10 centímetros por minuto). Nesse trajeto a digestão se completa e a absorção dos nutrientes é bastante intensificada.

Assim, para o conteúdo chegar ao intestino grosso, pode ser necessário 1,5 a 6,5 horas.

O intestino grosso.

É aqui que as fezes serão formadas.

O intestino grosso tem uma forte atuação na retirada de água do material que está dentro dele.

Para que você tenha uma idéia, diariamente chega ao intestino grosso cerca de 1500 ml de conteúdo digestivo (que chamamos de quimo), mas apenas 100 ml saem pelas fezes.

O intestino grosso tem a capacidade de absorver 5 a 7 litros de água por dia.

Quanto mais tempo a pessoa fica sem evacuar, mais água é retirada das fezes. Com isso o conteúdo fecal fica ressecado e endurecido. Assim, as fezes diminuem de volume, o esforço para defecar é maior e pode haver dor.

Por que ao evacuarmos diariamente a quantidade de fezes é maior do que quando evacuamos menos?

Há uma tendência a pensarmos que, se ficarmos alguns dias sem evacuar, acumularemos mais fezes e o volume será maior ao evacuar. No entanto, como as fezes vão sendo desidratadas (lembre-se de que o intestino grosso vai retirando a água delas) o seu volume fica menor.

O que causa a prisão de ventre?

As causas mais comuns são os hábitos inadequados.

No entanto, é importante lembrar que existem doenças que podem levar à obstipação intestinal (ou intensificá-la) como em alguns diabéticos (neuropatia diabética), alguns tumores de intestino, hemorróidas, hipotireoidismo...

Muitas medicações também podem causar prisão de ventre.


Como fazer para ajustar o funcionamento intestinal?

1) Movimente-se!

Atividade física é bastante importante para fortalecer a musculatura abdominal e ativar o peristaltismo (movimento dos intestinos).

Se você tem contato com idosos que permanecem acamados, poderá verificar que eles tendem a ser obstipados. A falta de evacuação pode levar a um endurecimento tão importante das fezes que elas quase se transformam numa pedra. Chamamos isso de fecaloma. Muitos idosos são levados ao pronto-socorro para que esse fecaloma seja removido, e esse processo pode ser feito manualmente, o que é bastante desagradável e dolorido.

Para quem pratica Yoga, existe uma técnica chamada Nauli, que trabalha intensamente a musculatura abdominal, massageando os órgãos internos do abdômen. É um excelente exercício para quem precisa ativar o funcionamento intestinal.


2) Se deu vontade de evacuar, vá em frente!

Nunca segure as fezes, pois elas ficarão cada vez mais ressecadas.

Muitas pessoas, pela vida corrida, pela falta de hábito de ter um horário para evacuar, ou por estarem fora de casa, não permitem a si mesmos sentarem no vaso sanitário o número de vezes suficiente por dia para estimular a evacuação, ou para evacuar cada vez que tem vontade. Procure modificar isso.

3) Por que temos mais vontade de evacuar pela manhã?

Toda vez que ingerimos um alimento, ao chegar no estômago, ele dá um sinal para o intestino grosso funcionar. Esse aviso vai do estômago (gastro) para o intestino grosso (cólon). Chamamos esse estímulo de reflexo gastro-cólico. Esse estímulo ocorre em todas as refeições, mas costuma ser mais intenso pela manhã. Assim, muitas pessoas têm o hábito de evacuar pela manhã.

É comum a preocupação de alguns vegetarianos, questionando se é saudável evacuar várias vezes por dia. Sim, é saudável, desde que as fezes estejam com uma consistência adequada.

4) E se a vontade de evacuar não aparece?

Algumas pessoas não sentem a vontade de evacuar, ou não percebem quando ela aparece. É necessário, muitas vezes, criar um hábito para quem não tem. Se a vontade não existe, eduque-se para, todos os dias, permanecer algum tempo sentado no vaso sanitário, mesmo sem vontade. Isso ajuda a criar o condicionamento.

5) Beba água!

A hidratação é fundamental para não ressecar as fezes.

Como o intestino grosso tem função de retirar água das fezes, quando a ingestão de líquidos é menor, ele tende a retirar água mais intensamente das fezes. O ressecamento é inevitável.

O que vale é a hidratação. Pode ser água, suco, chá...

6) Coma fibras!

A ingestão de fibras é fundamental para o bom funcionamento intestinal.

As fibras são carboidratos não digeríveis, ou seja, elas passam por todo o trato gastrointestinal e chegam no intestino grosso.

Bactérias adoram fibras. O intestino grosso é o local do nosso corpo onde as bactérias existem em maior abundância.

Assim, quando as fibras chegam no intestino grosso, as bactérias começam a “trabalhar” nessas fibras, produzindo, dentre outras coisas, glicose. Essa glicose puxa a água para as fezes, fazendo com que o volume das fezes aumente e a perda de líquido delas seja mais lenta. Ou seja, as fezes ficam maiores, mais úmidas e macias. Isso é importantíssimo, pois o contado das fezes pressionando o interior do intestino grosso (a sua parede), gera a vontade de evacuar. Se essas fezes se tornam ressecadas, o estímulo delas na parede interna do intestino grosso é reduzido, o que diminui a vontade de evacuar.

Há tipos diferentes de fibras, sendo as que chamamos de insolúveis, as mais adequadas para executar uma função “laxativa”.

A recomendação de utilizar verduras e frutas (mamão, laranja com bagaço, manga...) é bastante conhecida para quem é obstipado. O que vale a pena enfatizar aqui é o consumo de cereais integrais em grão.

Os alimentos refinados são péssimas escolhas para quem tem prisão de ventre. Eles estão presentes em diversos alimentos industrializados.

A forma mais simples e eficiente de eliminar a obstipação está na adoção de uma dieta composta exclusivamente por alimentos naturais e integrais. Na prática clínica, dentre os cereais integrais em grão, o centeio em grão e o milho (da espiga, não da lata) têm sido os mais eficientes para intensificar o trânsito intestinal. Utilize também o arroz integral, trigo em grão e a linhaça em grão.

Não se engane! Os produtos derivados dos grãos integrais, como o pão integral e o macarrão integral que encontramos nos mercados, não costumam ter uma quantidade adequada de farinha integral. Eles não têm os mesmos efeitos que o uso do grão.

O uso de farelos, especialmente de trigo também pode ser utilizado, mas você vai perceber, na prática, que se a sua alimentação for composta por cereais em grão, ele se tornará desnecessário.

A regra é simples: utilize o que é natural e integral. Retire o que é refinado e processado.

 

7) Utilize ameixa preta!

A ameixa preta (fresca, desidratada, ou o seu suco) contém um ácido chamado diidroxifinil isotina. Esse ácido estimula a movimentação (motilidade) dos intestinos.

Não se esqueça que o que vale na alimentação é o conjunto dela. O uso isolado de mamão, ameixa, farelo de trigo e semente de linhaça, por exemplo, pode ser uma boa opção para quem tem prisão de ventre, mas se a alimentação como um todo for natural e integral, o intestino funciona por si só. Geralmente, nesse caso, mesmo com hábitos inadequados (inatividade física e irregularidade para ir ao banheiro), a pessoa não consegue resistir ao estímulo para evacuar, pois ele se manifesta intensamente.

8) Cuide bem da sua flora intestinal!

Uma flora bacteriana intestinal adequada traz inúmeros benefícios para a saúde do intestino e do organismo como um todo.

A flora intestinal se modifica conforme o substrato que recebe. Uma flora benéfica adora compostos de origem vegetal. Compostos chamado de frutooligossacarídeos, como a inulina, são importantes para que bactérias benéficas permaneçam no intestino em boa quantidade. Alimentos como a escarola, alho poró, alcachofra e banana verde (cozida ou em forma de farinha) são ótimos para fornecer esse composto.

O odor das fezes tem uma forte relação com a flora intestinal, e costuma ser mais ameno nos vegetarianos com dieta integral. Muitos vegetarianos que têm uma alimentação totalmente integral e natural não apresentam fezes com odor desagradável.

Algumas pessoas utilizam o que chamamos probióticos, que são bactérias benéficas que passam pelo trato gastro intestinal sem serem destruídas e colonizam o intestino grosso. Essa alternativa para melhorar a flora intestinal é válida, mas desnecessária para uma pessoa que conseguiu adotar uma alimentação integral.

9) Fique tranqüilo!

Para evacuar é necessário estar tranqüilo! O nosso sistema nervoso (parassimpático) tem uma ação importante no reflexo da evacuação.

Evacuar com pressa não dá muito certo...

10) Calma aí! Tem 2 "trenzinhos"!

Já que é para evacuar, faça direito!

Quando evacuamos, inicialmente esvaziamos o conteúdo intestinal que está mais próximo do ânus. É o primeiro "trenzinho"!

Se você aguardar mais alguns minutos, o conteúdo de fezes já formada, que estava mais para cima do intestino, vai descer. Esse é o segundo trenzinho!

Elimine os dois!

  • Hits: 59135